Reforma da previdência

Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal

Para eles, a expectativa é de retomada de investimentos e de empregos

Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A reforma da Previdência Social poderá ampliar o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,5% para 3% ou mais. A estimativa é atrair dinheiro do exterior e fazer com que o investimento direto ultrapasse a faixa de US$ 100 bilhões. As projeções são do Centro de Economia Mundial da Fundação Getúlio Vargas (FGV), coordenado pelo economista Carlos Langoni, ex-presidente do Banco Central.

Langoni relaciona a mudança da Previdência ao equilíbrio fiscal e a uma visão positiva de que o país pode crescer e honrar compromissos com investidores. "O impacto é imediato ainda que o efeito da reforma seja diluído no tempo."

O economista estima que a economia de gastos públicos será de R$ 800 bilhões a R$ 1 trilhão, em um período de dez anos, a depender do formato final da proposta. "Na verdade, o efeito principal da reforma da Previdência é mudar a percepção do risco país", explicou Langoni ao considerar que "a reforma é um gatilho para uma agenda de reformas".








Endereço: Rua Macário Elias Delfino, 1169 - Barra Velha -  Passo de Torres - SC - Brasil
Fone redação: 48 3548-0108 - E-mail: contato@jornalnortesul.com 

Nosso WhatsApp:  48 3548-0108  -  Anúncios: contato@jornalnortesul.com