Alimentos Naturais

Empresa de Joinville aposta em produtos ecológicos sem similares no mercado brasileiro

Há ainda uma versão vegana, feita a partir de cera de carnaúba

Alexandre Back AGÊNCIA AL

Funcionando em um ambiente de trabalho compartilhado, estilo coworking, e com uma força de trabalho que não vai muito além dos dois sócios-proprietários, a Keep Eco vem demonstrando que não é preciso uma grande estrutura para o lançamento de um produto inovador. É da empresa de Joinville, o Keep, considerado um substituto mais ecológico ao plástico filme ou papel alumínio utilizados para embalar alimentos.Já conhecido em outros países, o produto ainda não possui similar no mercado brasileiro. Trata-se de um pedaço de tecido, 100% de algodão, recoberto por um composto formado por cera de abelha, resina de árvore e óleo de coco, que permite embalar e conservar alimentos como pães, queijos, frutas e vegetais já cortados, dentro ou fora da geladeira. Há ainda uma versão vegana, feita a partir de cera de carnaúba. Reutilizável, o Keep tem uma durabilidade estimada em um ano, dependendo da forma como é utilizado e higienizado. Ao final da sua vida útil, também pode ser compostado e virar adubo. Além de ecológico, uma vez que é feito a partir de matérias-primas biodegradáveis, o Keep também é semipermeável, permitindo que o alimento não perca hidratação dentro da embalagem e consiga trocar o ar com o ambiente externo. Outra vantagem apontada pelos fabricantes é a propriedade antifúngica da cera de abelha, mais um fator para a conservação do alimento. De acordo com o casal Lucas Bastos e Carla Ereno, proprietários da Keep Eco, a ideia para o lançamento das embalagens ecológicas surgiu após uma temporada de um ano e meio vivendo na Austrália, país que, de acordo com eles, possui um mercado mais desenvolvido para produtos ambientalmente corretos e que favoreçam a redução da quantidade de plástico descartado. "Como procuramos adotar esse estilo de vida mais sustentável, ao voltarmos para o Brasil, em 2016, tentamos o replicar o produto utilizando tecido da minha mãe e cera de abelha do meu pai, que é apicultor. No início não deu muito certo, mas depois de fazer diversos testes chegamos à fórmula ideal e decidimos partilhá-lo com as outras pessoas", explica Carla, que possui formação em engenharia agronômica. O estilo de vida dos jovens empreendedores, ambos naturais no Rio Grande do Sul e que resolveram apostar no mercado catarinense há pouco mais de um ano, também se reflete na origem das matérias primas utilizadas para a confecção do Keep. Tanto o tecido de algodão (orgânico), quanto a cera de abelhas, são provenientes de cooperativas de produtores, sediadas na própria região. "Somos uma empresa que tem como valores a sustentabilidade e a economia solidária, por isso, também procuramos priorizar empresas com este mesmo perfil", ressalta Carla. Tendo em vista a forma artesanal de fabricação, a cada mês são produzidas cerca de 500 peças, de variados tamanhos, que são comercializadas em 12 pontos de vendas e lojas de produtos naturais de seis estados e também pela internet. Conforme Lucas, o Keep ainda é percebido como um produto de nicho de mercado, voltado a um segmento social mais ligado às causas ecológicas, mas a tendência é que ganhe mais adeptos, conforme se torne mais conhecido da população em geral. "Em quem tem uma mentalidade mais verde, o produto está tendo uma boa adesão. Já para quem não o conhece, ainda é considerado um pouco estranho. Mas a grande maioria das pessoas ainda está tomando o primeiro contato com esse tipo de produto, e vemos que quando o conhecem, o interesse surge." 









Endereço: Rua Macário Elias Delfino, 1169 - Barra Velha -  Passo de Torres - SC - Brasil
Fone redação: 48 3548-0108 - E-mail: contato@jornalnortesul.com 

Nosso WhatsApp:  48 3548-0108  -  Anúncios: contato@jornalnortesul.com