Saúde

Associação faz campanha pela prevenção da mielomeningocele

10 Agosto 2018 09:08:00

Lisandrea Costa AGÊNCIA AL
Foto: Eduardo G. de Oliveira/Agência AL

Integrantes da Associação de Amigos, Pais e Portadores de Mielomeningocele (AAPPM), de Blumenau, estiveram na Assembleia Legislativa nesta última  quinta-feira (9) para divulgar a necessidade de conscientizar a população e prevenir a patologia, decorrente de uma má formação causada pela deficiência de ácido fólico. A atividade na Alesc integra a pauta da entidade para o Agosto Laranja, mês de conscientização sobre o tema instituído por lei municipal em Blumenau.

De acordo com a fisioterapeuta Daniela Merini, que atua na associação, a mielomeningocele é uma patologia congênita que acarreta uma deformidade no arco vertebral. A coluna não se fecha completamente e, em razão disso, a criança nasce com a medula exposta e precisa passar por cirurgia imediata para o fechamento do arco vertebral. A má formação tem como consequências problemas ortopédicos, hidrocefalia, disfunções na bexiga e no intestino. "São vários problemas associados, é uma patologia bem complexa." 

As crianças acometidas pelo problema precisam de atendimento de neurocirurgião, urologista, nefrologista, ortopedista e fisioterapeuta. O atendimento de múltiplas especialidades ajuda a minimizar as sequelas e estimular o desenvolvimento motor, conforme a presidente da AAPPM, Edna de Morais Batista. A entidade atende 83 famílias associadas de várias regiões do estado. 

A incidência de mielomeningocele no Brasil é de 1 em cada 1.000 nascidos vivos. Em países desenvolvidos, já não há registros dessa patologia. "É preciso levar mais informação às famílias para diminuir a incidência de mielomeningocele", opinou Edna. A má formação é prevenível com alimentação adequada e suplementação de ácido fólico quatro meses antes da gravidez, pois o fechamento da coluna ocorre já no primeiro mês de gestação. 

Cirurgia intrauterina 

A cirurgia de correção da mielomeningocele pode ser feita durante a gestação, embora com riscos para a mãe e o bebê. Com a cirurgia intrauterina é possível diminuir as consequências da má formação, como é o caso da hidrocefalia, que pode acarretar problemas cognitivos. A primeira cirurgia intrauterina dessa patologia, no estado, foi realizada em Blumenau, no mês de abril, com o apoio da associação e de médicos que atuaram voluntariamente. "O bebê nasceu prematuro, mas está bem. Isso foi uma grande vitória", disse a presidente da AAPPM.








COLUNAS

15332367368140.png
Vinicius.png

Endereço: Rua Nereu Ramos, 109 - Sala 01 - Centro - Passo de Torres - SC - Brasil
Atendimento: De segunda a sexta-feira | Das 8 às 18 horas
Facebook: Jornal Nortesul | Redação 48 3548-0108 contato@jornalnortesul.com WhatsApp:  9.9965-2523
Comercial | Classificados | Assinaturas 48 99660-1500 financeiro@jornalnortesul.com